topo frente

Cursos

13/12 a 17/01/2011 - A utilização de excursões para conhecer e vivenciar as relações entre meio ambiente, ciência, arte e cultura e suas implicações para a economia e o desenvolvimento social, econômico, cultural e científico e suas aplicações para o


escaladacopahue
                                                                                                       Início escalada Vulcão Copahue - 01/01/2011

Processo:
/2010

Proponente:
PROMUD;

Outros Órgãos:
PEC; DCM; CAE

Período:
13/12/2010 a 17/01/2011

Carga Horária:
96 horas/aula

Número de beneficíarios:
42. (03 alunos do Ensino Superior, 01 aluno do Ensino Básico, 04 professores do Ensino Superior, 07 membros da comunidade não escolar, 01 técnico de Nível Superior,  26 professores do Ensino Básico)

Coordenação: Marcílio Hubner de Miranda Neto

Ministrantes:

Marcílio Hubner de Miranda Neto
Sônia Trannin de Mello
Marcos Eduardo Pintinha
Fátima Maria Neves
Débora Ravagnani
Tânia Regina Machado
Kerla Matielo
Débora de Mello Gonçales Sant’Ana
Marcelo Henrique Galdioli
Helenton Cristhian Barrena
Claudia Campagnoli


Docentes:
Marcílio Hubner de Miranda Neto
Sônia Trannin de Mello
Kerla Matielo

Técnico Administrativo:
Margarete Lopes Iung
Marcelo Henrique Galdioli
Tânia Regina Machado

Aluno de Pós-Graduação:

Helenton Cristhian Barrena

Docente de Outras IES:
Débora Cristina Ravagnani

Justificativa:

A educação tem sido destacada como recurso de indiscutível importância para enfrentar os novos desafios gerados pela globalização e pelo avanço tecnológico na era da informação. É também convocada a promover o acesso sócio-econômico dos excluídos, a partir da criação de formas mais justas de inserção dos indivíduos em uma sociedade que se pretende igualitária. Para tal, o conceito de educação, voltado durante muito tempo prioritariamente para os processos de ensino aprendizagem exclusivo das unidades escolares formais, tende a se ampliar. E assim, transpõe os muros da escola, alargando-se para espaços da casa, do trabalho, do lazer etc. Com isso, um novo campo da educação se estrutura: o da educação não formal (GOHN, 1999).

Os espaços onde ocorre a educação não formal, tais como museus, teatros, zoológicos, parques e reservas naturais, planetários, entre outros, têm sido apontados por diversos autores como locais de ganho de conhecimentos científicos e culturais, atualização de conceitos e complementação da educação formal, uma vez que a maioria das escolas não dispõem de equipamentos, acervos e instrumentos culturais similares aos encontrados em tais espaços. Poucas vezes as escolas utilizam-se de excursões e visitações a esses espaços como recursos de ensino e aprendizagem. Quando o fazem nem sempre seguem uma metodologia que proporciona um aprimoramento dos conceitos já apropriados pelo visitante. Diversos estudos demonstram que a visitação com a  família tem a preferência da maioria das crianças, pois a visita é livre do ponto de vista do tempo de permanência em cada ambiente, podendo atender interesses  e curiosidades individuais, além de proporcionar e estimular um ganho cultural para toda a família e ampliar a convivência familiar. Por outro lado, a visita escolar quando bem estruturada possibilita conhecer na prática muitos dos aspectos abordados teoricamente em sala de aula, bem como despertar a curiosidade para outros conhecimentos. Deve ser uma forma de motivar os alunos para levarem suas famílias para conhecerem, explorarem e conservarem estes espaços, dando-lhes a oportunidade de ser o “guia da família”. Desta forma justifica-se ampliar o conhecimento de professores do ensino fundamental, médio e superior sobre tais metodologias.



Programa previsto:

Item(ns) ministrado(s) / ministrante(s)

Carga horária

(horas)

- A Educação nos Museus e Resevas Ambientais e a popularização de conhecimentos científicos: Teoria e prática -  Marcílio Hubner de Miranda Neto

- A organização social, a educação e os meios de produção nas Missões Jesuíticas. Marcos Eduardo Pintinha

- A arte que conta a história nas missões jesuíticas e nas catedrais de Bariloche, Lujan e Buenos Aires. Teoria : Débora Ravagnani (03h00)

Prática: Terezinha dos Santos Reichert (03h00)

- A influência da cultura européia na Argentina:teoria e prática.Inácio Reichert

- Arte e natureza: como apreciar e documentar por meio de fotografias e filmagens - Tânia Regina Machado

- História geológica e Paleontológica da Patagônia: Teoria e prática. Ivan de Carvalho Santos Lima

- O que é a Patagônia? Teoria e prática - Marcílio Hubner de Miranda neto

- Hábitos e cultura alimentar na Argentina. Marcelo Henrique Galdioli

- A economia da Argentina no contexto do Mercosul. Isabel Ferreira da Silva Chagas

- A economia da Patagônia Argentina: contribuições da Pecuária, dos pólos produtivos irrigados, do petróleo e do turismo.Kerla Matielo

- Influências da Economia e da Cultura Inglesa na América Latina. Marcílio Hubner de Miranda Neto

- O Movimento das placas tectônicas e seu papel na formação da Cordilheira dos Andes e na atividade vulcânica: Teoria e prática. Lenir Duarte Azevedo

- Compreendendo o clima na Patagônia – aspectos práticos.Marcílio Hubner de Miranda neto

- Características anatômicas e adaptações fisiológicas dos Tehuelches e dos Mapuches. - Sônia Trannin de Mello

- A formação dos glaciares e lagos Andinos – Rosemeire Aparecida Garcia Betiati: Teoria e Prática

- Efeito estufa e suas repercussões nos glaciares, lagos e rios andinos – teoria e prática  - Rosilene de Fátima Garcia Lima

- Península Valdes e Punta tombo: Aspectos ecológicos e turísticos dos sítios de reprodução de lobos marinhos e pingüins de Magalhães - Claudia campagnoli

- A produção de frutas em áreas de deserto irrigadas – Teoria e Prática.Claudia Campagnoli

 

Carga Horária total

 

 

06

 

04

 

06

 

02

02

 

16

 

06

02

 

02

 

02

02

 

08

 

04

 

01

 

12

 

 

04

 

12

 

04

 

 

96